SÁVIO SOARES

Cinema e música.

Taryn Szpilman

Gostaria de saber a razão desta bela cantora não ser reconhecida nacionalmente. Infelizmente, por motivos que desconheço, não está na mídia, não tem destaque nacional – há interesses das gravadoras que também desconheço. Além da beleza, Taryn tem uma simpatia e uma energia impressionantes.

 O repertório é de altíssimo nível. Canta de tudo, do jazz ao rock, do blues a MPB. A primeira vez que a ouvi foi no DVD em homenagem a Rio Jazz Orquestra, que tem como maestro o seu pai, Marcos Szpilman, um herói por conseguir organizar e manter uma excelente big band em pleno século 21.

A bela loura fez um espetáculo no qual contava a história da Billie Holiday. Nunca ouvi uma imitação de voz tão parecida com a diva do Jazz. Espero que Taryn Szpilman tenha o destaque que merece.

Anúncios

28/02/2010 Posted by | Uncategorized | 2 Comentários

Frank Sinatra e Luck Luciano.

Muitos escritores já contaram à exaustão sobre o envolvimento do Frank Sinatra com amigos gangsters, principalmente o carniceiro Sam Giancana. Porém, há uma passagem que gostaria de comentar: no livro biográfico do gangster Charles “Luck” Luciano há trechos do comentado encontro em Havana e os laços de amizade dos dois.

Mesmo exilado na Itália Charles Luck Luciano manteve o controle da Máfia nos Estados Unidos por 15 anos – Luciano foi o Chefão mesmo fora dos Estados Unidos, o que demonstra o poder e a mente incrivelmente inteligente (para o mal) deste pequeno homem. Mas em 1961, Charles “Luck” Luciano estava com 63 anos, mais da metade da vida dedicada ao crime, doente, dois enfartes e com a vida ameaçada pelos ex-amigos mafiosos. Estava amargurado, queria sua história contada num filme, mas foi impedido. Foi um duro golpe no orgulho de Luciano. Então, decidiu contar tudo num livro.

 Durante 10 meses contou detalhadamente sua vida a Martin Gosh. O escritor transformou tudo que ouviu no livro The Last Testament. Mas teve uma condição: o livro só pôde ser publicado 10 anos depois da morte do gangster “Luck” Luciano, fato que ocorreu no dia 26 de janeiro de 1962 devido a um enfarte fulminante.

 No livro há uma passagem interessante sobre o encontro do maior cantor do mundo com o mais poderoso gangster da época. Foi em Havana durante um grande encontro de mafiosos.  Se alguém perguntasse, havia uma razão especial para tal encontro. Era uma homenagem ao rapaz italiano de Nova Jersey chamado Frank Sinatra, o crooner que se transformara em ídolo das adolescentes do país. Ele voara para Havana com seus amigos, os Fischettis, ao encontro de seu amigo Charles Luciano e durante uma semana de feriados seria dada uma festa de gala em sua honra.

 Sobre Frank Sinatra, Luciano demonstrou ser fã.

Frank era um bom rapaz e a gente tinha muito orgulho do jeito que ele chegou lá em cima. Quando eu tava em Dannemora, os rapazes que vinham me ver falavam dele. Eles diziam que ele era um garoto magrinho lá da região de Hoboken com uma voz formidável e que ele era cem por cento italiano. Ele costumava cantar nos bares por ali e os caras gostavam dele. Quando chegou a época que era preciso botar algum dinheiro pro Frank ficar mais conhecido, eles botaram. O Frank trabalhava na orquestra de Tommy Dorsey e tava levando uns 150 dólares por semana, mas ele precisava de publicidade, roupas, músicas diferentes e tudo isso custava muito dinheiro – acho que era uns 50 ou 60 mil dólares, Eu dei o Okay pro dinheiro que saiu do fundo mas teve alguns caras que botaram dinheiro do próprio bolso, uma contribuiçãozinha maior. Tudo isso o ajudou a virar um grande astro e ele tava mostrando agradecimento vindo até Havana dar um alô a mim. Eu não queria dar a idéia de que a gente alguma vez pedia a ele para fazer alguma coisa ilegal. Ele dava alguns presentes a uns dos caras, uma cigarreira de ouro, um relógio, este tipo de coisa, mas não passava disso. E eu sempre achei que aquele cara era o número um.

No livro há um comentário do mafioso sobre uma foto que foi tirada dele com o Frank e colocada num restaurante da Califórnia, mas não soube explicar o motivo que a retiraram do local.

26/02/2010 Posted by | Uncategorized | , | 9 Comentários

Um dos melhores duetos do Século 20 – “a Voz” e “a Rainha”.

Sobre o Frank, nada a declarar. Sobre Peggy, deixo para o Duke Ellington.

 “Se eu sou o Duque, então Peggy é a rainha.”

Além das vozes geniais, Frank exalava charme e Peggy, sensualidade.

22/02/2010 Posted by | Uncategorized | , | 4 Comentários

Livro de Receitas da Máfia – Eu não gostaria de ser o homenageado da dedicatória.

Não, não sou cozinheiro e nem tenho vocação. Na verdade, gosto mesmo é de livros e filmes sobre a Máfia. Por tal razão, o tema “Máfia” tem lugar de destaque em minha estante.

 Em 2008, adquiri um livro intitulado Receitas da Cozinha da Máfia (1995), de Joseph “Joe Dogs” Iannuzzi, vulgo Joe Doggs, ex-mafioso e ex-cozinheiro da Máfia. Por se tratar de um livro de receitas feito por um mafioso me despertou a curiosidade, além disso, não são pratos complicados com receitas exótica. Você o lê de uma “tacada” só (o livro é feito de espiral, parece um caderno fino) – portanto, foi o melhor (e o único) livro de receitas que li em toda a minha vida.

 

Nele tem pratos para todos os gostos, qualidade e quantidade de pessoas. Há receitas para todos os momentos (antes e após o crime) e que vão do Bife à milanesa com verduras ao Camarão Scampi à Moda dos Gambino. Trata-se de uma leitura leve e divertida com toques de humor negro.

 Logo na primeira página é dito o seguinte:

 Receitas testadas e aprovadas pela Famíglia Gambino. Este prazer é melhor você não recusar.

Mas a dedicatória do autor tem destaque especial – é de um “carinho tocante”.

 Este livro é dedicado ao meu bom amigo e Compadre Tommy Agro. Sem você este livro não teria sido possível. Que seus pedaços descansem em paz.

22/02/2010 Posted by | Uncategorized | | 4 Comentários

Scorcese, não perca tempo – Megan Fox merece o papel de Ava Gardner.

Ok, parece que o Leonardo DiCaprio ganhou a concorrência –  vai interpretar o Frank Sinatra. Quanto a Deusa Ava Gardner, no momento, não vejo concorrência: nenhuma é tão bela quanto Megan Fox para interpretá-la no filme do Frankie.

 

Ava Gardner – “O animal mais belo do mundo”

A belíssima Megan Fox 

Nunca assisti a filmes de Megan Fox, não sei sobre as atuações, nem do talento. Mas o que importa? Neste caso, vocação e talento são apenas detalhes.

Ava e Megan

Ava Gardner também não era uma grande atriz – nem precisava.

21/02/2010 Posted by | Uncategorized | , | 12 Comentários

Bing Crosby – Bela voz. Morreu milionário, mas teve uma vida familiar envolta em tragédias.

O corretor ortográfico do Word sublinha com uma ondinha vermelha o nome de Bing Crosby quando você escreve. Ou seja: para o World, Bing Crosby é um “erro”. – Ruy Castro.

 

Bing Crosby tinha um estilo único que conquistou milhões de fãs. É recordista de bilheteria e de vendagem de discos: fez mais de cem filmes; em 1980 ultrapassou a vendagem de 400 milhões de discos e gravou mais de 2.600 músicas – uma delas o clássico White Christmans, única canção a permanecer nas paradas por 20 anos –  de 1942 a 1962 – e tornou-se canção-símbolo do Natal, vendendo nada mais, nada menos, do que 30 milhões de cópias.

 

Destaco os seguintes filmes: O Bom Pastor (Oscar de melhor ator de 1944), Os Sinos de Santa Maria (1945), Romance Inacabado (1946), Natal Branco (1954), Amar é Sofrer (1954) e Alta Sociedade (com o “rival” Frank Sinatra, 1956). Em 1966 fez seu último filme, A Última Diligência e passou a dedicar-se aos especiais de TV e cuidar dos milionários negócios particulares.

 Apesar de todo o sucesso e da voz fabulosa, no seio familiar, segundo relatos, Bing não era fácil de lidar: pai carrasco, filhos problemáticos (segundo o escritor Ruy Castro, os fãs questionam o fato de que só os filhos do seu primeiro casamento tiveram uma vida tresloucada, pois a primeira esposa também seria uma mãe severa). Somente anos mais tarde o lado sinistro de Bing Crosby foi revelado. Sua ex-mulher, Dixie, quando agonizava de um câncer no ovário, dissera a amigos que Bing a negligenciava. Após sua morte, Bing se tornou um pai solteiro e um disciplinador severo. Dois de seus filhos, Lindsay e Dennis, cometeram suicídio.

 

Ao morrer, em 1977, aos 76 anos, durante uma partida de golfe – sua grande paixão, o crooner deixou para sua última esposa, a atriz Kathryn Grant e os sete filhos uma fortuna incalculável, obtida como artista e multiplicada pelos empreendimentos diversos: mineração, cavalos de corrida, ranchos, times de baseball e indústria de suco de laranja.

  

Apesar da personalidade complexa e das tragédias familiares, nada disso interferiu na trajetória profissional vitoriosa – Bing Crosby foi um dos maiores (e para muitos críticos e fãs, o maior) cantores do Século 20. Nada mal, para quem declarou certa vez que nunca estudou canto em toda a vida e não distinguia o diafragma da laringe.

21/02/2010 Posted by | Uncategorized | , | 4 Comentários

Uma bela homenagem a Dick Farney.

O Programa Mosaicos, da TV Cultura de São Paulo, fez uma homenagem emocionante ao grande Dick Farney. Imperdível. Programa produzido em 2007, há participações de cantores, músicos, amigos e familiares que conviveram com Dick Farney – exímio pianista e crooner magnífico.

 

Nesse bloco do Programa tem um pequeno trecho do grande Dick Farney interpretando “One For My Baby” – Não faria vergonha ao Frankie.

19/02/2010 Posted by | Uncategorized | | 3 Comentários

Christiano Câmara – Colecionador de amigos.

O título deste post não podia ser outro. Colecionar amigos é uma das marcas registradas de Christiano Câmara, pesquisador e musicólogo.

 As portas da sua casa estão sempre abertas para todos que admiram cinema e música. Há mais de 20 mil discos de cêra e 10 mil discos vinil. Há livros que formam paredes e filmes, muitos filmes que deixam apenas o quarto do casal com espaço reservado. Quem assistir ao excelente documentário sobre o amigo colecionador – “Rua da Escadinha, 162”, verá que as paredes são feitas de posters, livros, discos e filmes.

 

Quando o conheci, há 15 anos, foi por intermédio de meu pai:

 – Você gosta tanto de música e cinema e não conhece o Christiano?

 Fui lá. Um pouco ansioso por tratar de um assunto que achava não tratar-se da sua especialidade – Perguntaria se tinha algo sobre música americana.

 – Quem é? – Perguntou Christiano.

 – Sou fã de cinema e música e gostaria de saber se o senhor tem algo sobre o Sinatra, Crosby, Hartman… – disse com certo receio.

 – Rapaz, tanto cantor brasileiro e você vem atrás de estrangeiros? – falou de maneira autêntica que logo me cativou.

 Sempre solícito, completou:

 – Vem cá, tenho algumas coisinhas aqui…

 Resumindo: Christiano me “adotou”, ensinou muito sobre a música e o cinema – nacional e internacional. Já conheci pessoas com acervos que deixam a minha coleção no chinelo, mas nunca tinha visto tantos discos, filmes , livros e informações de revistas e jornais. Além disso, há coleções sensacionais de todos os grandes cantores nacionais e internacionais (é fã incondicional do Francisco Alves – “O maior cantor do Brasil”). A coleção de discos de música clássica é surpreendente. Filmes que não foram repassados do VHS para o DVD, livros e revistas de cinema e música que são raridades. Christiano, desde adolescente, guarda informações sobre música e cinema. Hoje aposentado, ele dedica a sua vida à família e a coleção de valor inestimável.

 Christiano tem um conhecimento e uma cultura invejável. Mas nada supera o seu coração – imenso de bondade – jamais deixou de receber, pesquisar e ajudar quem ali chega buscando alguma informação ou simplesmente na curiosidade de conhecê-lo pessoalmente. Nunca cobrou um real por isso e nunca recebeu nenhuma ajuda do governo – apenas a conta de luz era descontada, hoje não sei. Conta apenas com o apoio da D. Douvina, eterna namorada, esposa de coração imenso há 51 anos.

Para piorar, além do descaso do poder público sobre o acervo, talvez perca até a sua paz: Christiano me ligou ontem, pedindo socorro. Na pequena travessa onde nasceu e mora até hoje – uma rua estreita com apenas um quarteirão e belas casas do início do século 20 – agora estão estacionando ônibus de sacoleiros, as crianças não brincam mais e os vizinhos não põem cadeiras na calçada para conversas animadas. Uma vergonha, amigo, que será combatida.

17/02/2010 Posted by | Uncategorized | 4 Comentários

Essa do Sinatra o Bono não esquece.

Num show do Frank Sinatra em 1992 a Banda U2 estava lá – Bono disse que o Frankie os apresentou ao público presente e  brincou sobre a maneira que eles se vestiam…

Frank: “Mas você não gastou um centavo em roupas…”

 Bono: “Veja agora Frank!”

14/02/2010 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

É Carnaval! Sendo assim, vou atacar de Nat King Cole, um dos meus cantores favoritos…

Nat King Cole é aquele cantor que eu gostaria de tê-lo escutado tranquilamente num piano-bar dos anos 50.

A cena se passa no filme Istambul (1957) refilmagem, com o mito Errol Flynn, do clássico “Singapure” de 1947. – Bom Carnaval…

14/02/2010 Posted by | Uncategorized | | Deixe um comentário