SÁVIO SOARES

Cinema e música.

O clássico “Alice no País das Maravilhas” – Tim Burton o transformou num filme idiota.

Não adianta. O desenho animado de 1951 continua imbatível. Tanto o livro quanto o desenho animado (de 1951) têm um élan que nos encantam e apresentam uma visão surreal com guinadas na estória em pequenos espaços de tempo. Por tais razões, achei que o Tim Burton seria o diretor perfeito para filmar o clássico, mas me surpreendi negativamente. Burton não estava inspirado. (pelo que li, talvez pela recente morte do pai)

No filme, o diretor criou uma nova situação: Alice, já adulta, por alguns motivos vai ter que visitar novamente o reino subterrâneo. A partir daí Tim Burton “viaja” e divorcia-se do roteiro original. Seria excelente, talvez uma nova versão nos moldes de “A Fantástica Fábrica de Chocolates” (2005) e com a presença do ator e parceiro de outros filmes, o sempre ótimo Johnny Deep, mas está tão maquiado que chama mais atenção do que o próprio filme. Infelizmente não foi o que esperava – não há fantasia – o ponto forte dos clássicos filmes infantis.

É impossível imaginar um romance do Chapeleiro Maluco e Alice. Pois é, mas o diretor criou um “clima romântico” entre os dois. O grande Tim Burton, realmente, não está bem…

Anúncios

10/06/2010 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário