SÁVIO SOARES

Cinema e música.

Uma escola chamada Big Band.


Não há como calcular a importância dos vocalistas para as grandes orquestras, mas acho que eles lucraram bem mais do que as próprias big bands – não em forma de dinheiro, mas em disciplina, técnicas vocais e presença de palco. Porém, para se destacar entre tantos não era fácil. Imagine o caminho árduo para um crooner chegar a titular de uma famosa big band naquela época. Costumo compará-los aos milhares de jogadores de futebol que passam por uma peneira de um grande clube brasileiro – a dificuldade para cantores e músicos eram imensas.
 
 
Tommy Dorsey – Controle de respiração copiado por Sinatra.
 
Mais difícil ainda era uma cantora se destacar naquele meio. Doris Day, uma das mais respeitadas cantoras de orquestras contou o seguinte: Não era fácil para uma garota entre um monte de rapazes. Não tinha nada choros à noite e nem de chamar por mamãe, correndo para casa. Consequentemente, você se tornava uma pessoa forte. Você tinha que se disciplinar, musicalmente e de todas as outras maneiras. Ser uma cantora de orquestra lhe ensinava não só a trabalhar defronte do público, mas também a lidar com ele.

 

Doris day – aluna aplicada que soube tirar proveito da “escola” chamada big band.
 
Os que conseguiram tiveram um retorno em técnicas que utilizaram pelo resto da vida quando se apresentavam em shows. Frank Sinatra comentava com frequencia o quanto ele havia aprendido, simplesmente por sentar-se no mesmo tablado com Tommy Dorsey e por observá-lo respirar e tocar seu trombone. Por causa daquele controle de respiração, disse Frank, “Tommy podia fazer tudo parecer tão musical que você nunca perdia o fio da mensagem”. Impressionado com as proezas físicas de Tommy, Frank passou a fazer exercícios para desenvolver seu físico, inclusive uma série de sessões de mergulhos, na esperança de que ele também pudesse respirar tão naturalmente como seu líder.
 
  O Frankie soltando a voz…
 
Outra cantora de orquestra foi Peggy Lee. “Cantar com uma orquestra nos ensinou”, disse Peggy, “a importância do entrosamento recíproco dos músicos com os cantores. mesmo que a interpretação de uma canção em particular não fosse exatamente o que a gente queria, tinha-se que trabalhar, intimamente, com o arranjo, e procurar fazer o melhor possível. Direi isto: aprendi mais a respeito de música com os homens com os quais trabalhei nas orquetras em que estive do que emqualquer outro lugar. Eles me ensinaram disciplina, o valor do ensaio e como praticar.”
 
 Tommy Dorsey – Os humildes e inteligentes aprenderam com a sua técnica formidável.
 
 Jo Sttaford é outra crooner que merece um destaque especial. Bela mulher, ótima voz e ténica apuradíssima, cantora titular da orquestra de Tommy Dorsey, líder do conjunto The Pied Pipers, dividia os vocais com Frank Sinatra – imagine toda essa gente junta… 
 
Jo Sttaford soltando a belíssima voz.

 

Anúncios

28/08/2010 - Posted by | Uncategorized |

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: