SÁVIO SOARES

Cinema e música.

“Tom Jobim é o primeiro caso de um compositor brasileiro cuja obra continua viva e atuante depois da morte do autor.” Ruy Castro

09/08/2012 Posted by | Uncategorized | , | Deixe um comentário

“Esqueci no piano as bobagens de amor que eu iria dizer…” Tom Jobim, no samba-canção “Lígia”, 1976…

15/07/2012 Posted by | Uncategorized | , , | 2 Comentários

Saudades de Johnny Alf…

30/05/2012 Posted by | Uncategorized | , | 5 Comentários

Um pouco sobre a ótima Lisa Ono.

Lisa Ono nasceu em São Paulo, mas quando completou dez anos de idade migrou com sua família Para Tóquio, onde seu pai abriu um restaurante de comida brasileira chamado “Saci Pererê”.

Começou a cantar e tocar violão aos 15 anos. Iniciou sua carreira em 1989, lançando o “single” “Your So Unique“, a partir de então começou a popularizar a Bossa Nova no Japão. A partir de então Lisa começou a passar metade do ano no Oriente e outra metade na “Cidade Maravilhosa”.

Um detalhe: Lisa canta músicas em português, japonês, inglês, italiano, espanhol e francês. 

28/05/2012 Posted by | Uncategorized | , | 7 Comentários

Lúcio Alves, um dos maiores intérpretes da nossa canção homenageia a “Cidade Maravilhosa”…

Música de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli, “Rio” é um clássico da Bossa Nova e foi gravada por Lúcio Alves para seu disco “Balançamba”, lançado em 1963.

Inesquecível Lúcio Alves…

28/05/2012 Posted by | Uncategorized | , | Deixe um comentário

Dolores Duran…”A Noite Do Meu Bem”…

Dolores Duran tinha apenas 29 anos de idade quando se foi, mas deixou uma obra inesquecível, como “Fim de Caso”, “Por Causa de Você”, “Solidão” e tantos outros clássicos…uma grande perda para a Música Popular Brasileira…

Hoje eu quero paz de criança dormindo”…

07/05/2012 Posted by | Uncategorized | , , | 2 Comentários

A proprietária não aguentou as esquisitices do João Gilberto. Seus advogados ingressaram judicialmente com uma ação de despejo.

Com o passar dos anos as manias (em todos nós) vão aumentando, sendo assim, para não morrermos na solidão absoluta, devemos controlá-las ao máximo. Mas parece que João Gilberto não se importa nem um pouco.

 

Além das manias, João não cumpre contratos, reclama de qualquer barulho ou manifestação dos eternos fãs e, para completar, está sofrendo uma ação judicial de despejo. Segundo informações, a proprietária vê alma quando tem que fazer alguma reforma em seu imóvel que é locado pelo cantor por R$ 8.000,00 ao mês. O jornalista Ruy Castro escreveu sobre as esquisitices do João Gilberto no livro “A onda que se ergue no mar” (Companhia das Letras). Em determinado trecho, diz o seguinte:

 Tem hábitos fixos. Acorda às cinco horas (da tarde), almoça quase meia-noite e janta às sete (da manhã). João Gilberto odeia alterações em sua rotina.

Liga para o mesmo garçom, pergunta se tem alguma novidade no cardápio e, seja qual for a resposta, pede um steak ao sal grosso.

A comida é entregue por um copeiro através de uma porta entreaberta que depois pega os pratos que ficam no chão do corredor de entrada (sempre com uma generosa gorjeta). O detalhe é que o copeiro faz o mesmo serviço há anos e mesmo assim nunca o viu.

 João Gilberto não tem faxineira. Uma vez por mês o próprio João Gilberto faz a faxina. O lustre da sala está para cair, pois o cantor não deixa eletricista entrar no apartamento.

Por tais razões, a proprietária do apartamento não agüentou e, pelo que parece, João Gilberto vai tocar violão em outra freguesia.

02/02/2011 Posted by | Uncategorized | | 2 Comentários

Que falta esses dois fazem…

Tom e Vinicius, inundados etilicamente, estão engraçadíssimos bêbados, mas sem a arrogância de popstar…

 

24/12/2010 Posted by | Uncategorized | | 2 Comentários

Vinicius e Baden – “Samba em Prelúdio”.

No livro sobre o Vinicius de Moraes, “Garoto de Ipanema” (Ed. Códex, 2004), a cantora Miúcha contou sobre a dificuldade do poetinha para pôr a letra neste clássico brasileiro.

 

Um dia ele foi encontrar com o Vinicius, já de noite. Estava muito empolgado para mostrar uma música que tinha feito. Vinicius escutou, falou qualquer coisa e continuou bebendo. Passando um tempo, Baden perguntou:

 E então, você não vai fazer a letra?

Quer saber a verdade, Baden? Você fez um plágio do Chopin. Essa música não é sua.

 Discutiram durante muito tempo, Vinicius sustentando que era Chopin, e Baden, que conhecia toda a obra de Chopin, garantindo que não. Até que Vinicius decidiu acordar a mulher, Lucinha Proença, que era expert em música clássica. Já eram 6 da manhã. Ela acordou, ouviu e ficou com o Baden: não era plágio. Então Vinicius brigou com ela. E, para terminar a conversa, saiu-se com esta: 

Se não é do Chopin, é que ele esqueceu de fazer!

Ainda bem que o espirituoso Vinicius mudou de idéia e escreveu a belíssima letra. Assim nasceu o “samba em prelúdio”. Um clássico da nossa canção.

15/10/2010 Posted by | Uncategorized | | Deixe um comentário

Tom Jobim – Pois é. Até o nosso genial compositor penou por aqui…

Para o Tom Jobim ser reconhecido no Brasil teve que trabalhar herculeamente. No ótimo livro do Mario de Almeida, “Antonio’s – Caleidoscópio de um Bar” (Editora Record), o escritor Carlinhos de Oliveira nos conta em sua crônica “Quem avisa amigo é” (publicada no Jornal do Brasil em 03 de outubro de 1968) a humilhação do Tom Jobim ao sofrer vaias em pleno Rio de Janeiro.

 

Poucas pessoas podem avaliar como terá sido duro, para Antonio Carlos Jobim, ser recebido com vaias no Maracanãzinho. O primeiro pensamento dele deve ter sido este: “Talvez João Gilberto tenha razão. Talvez o negócio seja escolher o exílio voluntário nos Estados Unidos.”

 Essa foi a primeira e menos grave injustiça do público. Tom Jobim nos prefere a todos – a nós brasileiros, ao clima e ao espírito carioca; por nós, para estar perto de nós, ele perde todos os dias um bocado de dólares.

 A segunda injustiça chega a ser pueril, diante da personalidade a que se dirige. Não há vaia que tire de Tom o título de maior compositor do Brasileiro desde Villa-Lobos. Nenhuma indiferença ou contestação violenta impedirá que ele seja responsável por tudo o que se faz de melhor em matéria de música brasileira, nem que tenha erguido a letra de música à categoria de poema (no sentido exato), ao libertar um grande poeta, Vinicius de Moraes, da solidão dos livros.

 Tudo isso ninguém vai tirar nem mudar. Como dizia Ibrahim Sued: “Os cães ladram e a caravana passa.”

Mas o que dói é ver nosso amigo Tom passar por cima da sua grande timidez para ser recebido daquela forma. O que dói é termos visto o maestro Antonio Carlos Jobim, numa noite memorável no Teatro Toneleros, aparecer encabulado como um principiante para receber uma consagração a que já deveria estar acostumado. Diante de um público de primeira categoria ele se comportava assim, agora imaginem com quanta dificuldade se encaminhou à passarela do Maracanãzinho, colocada diante da multidão heterogênea, apaixonada, imprevisível e em grande parte já seduzida por outros concorrentes.

 Nós fizemos esse papelão em presença de compositores e cantores estrangeiros. Que pensarão de nós? “Que gente ingrata!”, pensarão eles.

 Os jornais informam que Chico Buarque de Holanda vai interromper sua excursão européia para receber novas vaias e aplausos, sábado que vem, ao lado do Tom. Seria muito bom. Chico é muito mais safadinho que o seu parceiro, imensamente mais audacioso. Ele teve coragem de escrever “a sabiá” em vez de “o sabiá”. De Roma, pelo telefone (segundo Nelsinho Motta), ele quis saber se o pessoal havia vaiado sentado ou em pé. Responderam que o negócio foi em pé. “Ótimo”, disse Chico. “O Carlos Imperial deve estar morrendo de inveja” (Carlos Imperial acha que uma vaia ou uma acusação de plágio são excelentes estímulos publicitários.)

 Mas não há de ser nada. Sábado que vem nós vamos à forra. O Antonio’s inteirinho seguirá em caravana para o Maracanãzinho, cada qual com sua lata de cerveja dinamarquesa. Vai Vinícius, vai Manolo, vai Rubem, Florentino não falta e Leila Diniz também não. Levaremos faixas, um bumbo e, se duvidarem, meia dúzia de granadas na mão. O pau vai quebrar, minha gente. Quem avisa amigo é.

 

Pois é, meus amigos, o Tom Jobim estava certo quando dizia que o Brasil não é para principiantes.

29/07/2010 Posted by | Uncategorized | | 2 Comentários