SÁVIO SOARES

Cinema e música.

Nada como se ter sempre na mente uma música para consolar encantos e afogar desencantos…

16/06/2012 Posted by | Uncategorized | | 3 Comentários

Do tempo que as aeromoças eram bem tratadas…

Antigamente as aeromoças recebiam elogios, cantadas e os apaixonados compunham belas canções em homenagem a musa do vôo.

 

Dick Farney interpreta a canção “Aeromoça” (1976)  de Billy Blanco. Uma pérola…

15/05/2012 Posted by | Uncategorized | | 2 Comentários

Uma bela homenagem a Dick Farney.

O Programa Mosaicos, da TV Cultura de São Paulo, fez uma homenagem emocionante ao grande Dick Farney. Imperdível. Programa produzido em 2007, há participações de cantores, músicos, amigos e familiares que conviveram com Dick Farney – exímio pianista e crooner magnífico.

 

Nesse bloco do Programa tem um pequeno trecho do grande Dick Farney interpretando “One For My Baby” – Não faria vergonha ao Frankie.

19/02/2010 Posted by | Uncategorized | | 3 Comentários

Lucio Alves tinha uma voz de veludo.

“Lucio era um dos maiores cantores do mundo.” – Tom Jobim.

Lucio Alves é um daqueles cantores que cai no esquecimento e fica por isso – situação comum por aqui. Poderia citar mais trinta grandes cantores que não escutamos nos rádios nos últimos 10 anos.

Há uma bela homenagem que foi feita pelo escritor Ruy Castro no livro “A Onda que Se Ergueu no Mar”, ele nos conta o sucesso e o declínio do cantor devido aos sérios comprometimentos financeiros ocasionados pela escassez de convites profissionais (incrível!) e pelo vício no jogo. (principalmente corridas de cavalo)
Conforme Ruy Castro, nos últimos 27 anos de vida Lucio gravou apenas um disco de estúdio – e sua voz ainda estava inteira.

lucioold

Em 1990, quando João Gilberto soube que o amigo estava tão mal, tratou de socorrê-lo com feiras no supermercado e sopas diárias que eram entregues na casa do cantor. Para tentar angariar dinheiro e custear os caros tratamentos de saúde e dívidas de aluguel, João conversou com vários astros da música para a realização de um show com grandes atrações. Participaram Tom Jobim, Cauby Peixoto, Tito Madi (outro esquecido), Caetano Veloso, Ivon Cury, Miele, Os Cariocas, Johnny Alf e Agnaldo Timóteo, entre outros.

Tom Jobim, quando soube da situação desesperadora do amigo, estava em São Paulo e fez questão de se apresentar com todos os seus músicos (tudo pago pelo inesquecível e caridoso Jobim). O proprietário da casa noturna Scala, Ricardo Amaral, não cobrou pelo espaço do show. Curiosamente, apesar de colaborar bastante para a concretização do show beneficente, João Gilberto não foi participar da homenagem ao amigo. (coisas de João Gilberto…)

O espetáculo em homenagem ao cantor foi um sucesso, arrecadaram uma boa quantia que ajudou a sanar dívidas e tratamentos cirúrgicos, mas depois os problemas financeiros e de saúde voltaram e já não havia mais saída – Lucio Alves faleceu em 3 de agosto de 1993.

Nesse vídeo em homenagem a Dick Farney, Lucio esclarece os rumores de inimizade entre os dois, elogia verdadeiramente diversos cantores, mostra que entende muito de canto e revela as suas influências musicais.


Lucio Alves era um cantor titular – podia revezar a posição no time com Dick Farney – sem reclamação do técnico ou da torcida.

Lucio Alves e Dick Farney – Dupla em plena sintonia.

Lucio canta “Rio”, de Ronaldo Bôscoli e Roberto Menescal – a melhor composição em homenagem a uma das mais belas cidade do mundo.

O escritor Jorge Cravo dedica emocionantes páginas do seu livro “O Caçador das Bolachas Perdidas” ao grande cantor. Num último encontro no apartamento de Lucio Alves, Jorginho Cravo, após despedir-se do amigo, disse o seguinte:

Despedi-me de Lucio, gratificado por ser amigo de um ser humano que eu tanto admirava. Creio que, naquele abraço, selávamos um encontro que, sabíamos, estava prestes a acabar. São presságios difíceis de explicar, mas, ao chegar no hotel naquela noite, tive uma sensação de afastamento terreno do amigo – mas que ainda está em minha mente e coração, e assim continuará até o dia em que eu também me for.

O grande crooner em ação.

06/11/2009 Posted by | Uncategorized | , , | 4 Comentários

E por falar em Dick Farney…

 

“Quem não tem Sinatra, caça com Dick Farney”

 

A frase, do compositor Ronaldo Bôscoli, está no livro autobiográfico “Eles e Eu” (Editora Nova Fronteira, 1994). Na verdade não se trata de imitação, mas estilo, jeito de cantar.

Dick, segundo Bôscoli, era introvertido e adorava Sinatra. Apesar de trabalhar em boates, principalmente, paulistanas, não era boêmio. Além de cantor e pianista foi um decorador famoso em São Paulo. Elis Regina queria que decorasse o seu apartamento quando casou com Ronaldo Bôscoli.

Voz limpa e pianista exímio – gravou em 1960 um disco de jazz fabuloso: Dick Farney e seu Jazz Moderno no Auditório de O Globo. Por ser pianista admirava Nat King Cole, George Sharing e Dave Brubeck.

 

Dick Farney – a voz e o piano.

 No início da carreira morou nos Estados Unidos e se deu bem em Nova York, conforme escreveu Ruy Castro no livro “A onda que se ergueu no mar” (Companhia das Letras, 2001). Nesse período chegou a ser citado na Revista Time como uma das grandes promessas da época, ao lado dos também iniciantes Mel Tormé e Johnny Desmond. Porém teve que retornar ao Brasil – o motivo era simples: os discos que gravara antes de embarcar estouraram nas paradas.

 

Com uma voz assim até a nossa cantora maior se derrete…

Já no Brasil, Dick descobriu que já era famoso para um grupo de jovens talentosos que fundaram o Sinatra-Farney Fan Club na década de 60, tendo como um dos sócios, João Donato.

Assim como o destino agiu na vida de Dick Haymes, que nasceu na Argentina mas fez sucesso nas terras do Tio Sam, Dick Farney, se tivesse permanecido por lá, teria o mesmo ou maior sucesso que alcançou no Brasil, com uma vantagem: pelo menos não seria esquecido.

Há algum tempo assisti ao Globo Repórter de agosto de 1987 que lhe foi dedicado quando da sua morte. Trata-se de uma bela homenagem ao cantor que mais representou Sinatra no Brasil.

 

A segunda e emocionante parte do programa dedicado a Dick Farney.

 

 

25/09/2009 Posted by | Uncategorized | | Deixe um comentário

“A Noite do Meu Bem” de Dolores Duran na voz de Dick Farney me traz profundas recordações.

Hoje eu quero a rosa mais linda que houver

E a primeira estrela que vier

Para enfeitar a noite do meu bem

Hoje eu quero a paz de criança dormindo…

 Sempre ouvia meu pai cantá-la quando eu era criança. Sempre que a escuto volto a um passado distante (as mesmas lembranças os mesmos sentimentos sinto com Father and Son de Cat stevens, apesar de não ser o estilo musical dele).

dick farney

Por tal razão, sempre gostei de Dolores Duran e do intérprete maior dessa canção: Dick farney. São momentos de calmaria. Não tem preço ouvir uma música que nos traz boas lembranças. É, como diz a letra da canção, “a alegria de um barco voltando”…

24/09/2009 Posted by | Uncategorized | | Deixe um comentário