SÁVIO SOARES

Cinema e música.

Teti’aroa…a deslumbrante ilha do Marlon Brando…

Num intervalo de filmagem de “O Grande Motim” o ator foi com um amigo taitiano escalar um dos montes mais altos da ilha; lá no alto o amigo apontou para o norte e disse:

Está vendo aquela ilha?

– Não

– Não está vendo aquela ilha lá longe? Chama-se Teti’aroa…

Brando conseguiu distinguir um fio de terra que jazia no horizonte a cerca de 50 quilômetros de onde estavam. A partir daí a ilhota estava exercendo uma atração mística sobre o mito de Hollywood. Teti’aroa pertencia a uma senhora cega que se chamava madame Duran. A ilha tinha sido presente de Pomerae V, último imperador do Taiti, ao pai dela, um médico chamado Williams que acabou morando três anos ali, onde estabeleceu uma plantação de coco e foi enterrado. O poder de sedução de Marlon convenceu madame Duran vender o paraíso ao ator em meados da década de 60, fixando moradia na década de 80. E assim Ele definiu a ilhota paradisíaca…

 

Percebi que aquela porção fina de terra era bem maior do que eu tinha visto de longe e muito mais deslumbrante do que qualquer coisa que eu poderia ter visto…

Teti’aroa era um atol de coral situado poucos metros acima do nível do mar, abrangendo 250 alqueires em mais de uma dúzia de ilhas. No centro da maior de todas havia uma lagoa deslumbrante em forma de meia-lua. Uma dúzia de variedade de pássaros ficou nos observando quando desembarcamos na praia; diante de mim, na areia, estendiam-se fileiras de coqueiros, como brigadas de sentinelas adornadas de coroas de plumas; por toda parte, praias arenosas estendiam-se a perder de vista. A lagoa ficava a menos de dez quilômetros dali; águas transparentes como cristal estavam impregnadas de tons de azul que jamais imaginei existirem; turquesa, azul-escuro, azul-claro, azul-anil, azul-cobalto, azul-vivo, azul-piscina, água-marinha. Eu estava admirando aquela paleta estonteante quando várias nuvens brancas e perfeitas, de base plana, rolaram acima de mim a mais de 500 metros de altura, como se estivessem desfilando e eu, assistindo da arquibancada. Durante um instante uma sombra cobriu a ilha e logo passou, deixando o sol brilhar outra vez como cetim nas águas turbulentas da lagoa. Foi uma coisa mágica…

 

Atualmente a ilha pertence a seus herdeiros e pode virar um resort.

27/04/2012 Posted by | Uncategorized | | Deixe um comentário

Marlon Brando…modéstia do maior ator do século 20…

Eu dou risada das pessoas que dizem que fazer filmes é arte e que os atores são ‘artistas’. Artistas foram Rembrandt, Beethoven, Shakeaspeare e Rodin; os atores são formigas operárias que participam de um negócio e labutam por dinheiro. É por isso que sempre se fala em “indústria do cinema”.

15/04/2012 Posted by | Uncategorized | | Deixe um comentário

“A pior coisa que pode acontecer a alguém quando fica famoso é acreditar nos mitos criado sobre ele, coisa que nunca fiz, digo com orgulho.” Marlon Brando desmistificando o mito…

Marlon Brando nunca sentiu-se muito bem com a imagem de galã e mito. Dizia que muitas vezes trabalhou exclusivamente pelo dinheiro. Por tratar-se de um mito e mesmo assim ter os “pés no chão”, demonstrando uma visão realísta da vida, é justificável que no livro “Brando – Canções que minha mãe ensinou“,  sua autobiografia, o ator tenha esta opinião sobre a questão da idolatria.

A pior coisa que pode acontecer a alguém quando fica famoso é acreditar nos mitos criado sobre ele, coisa que nunca fiz, digo com orgulho. Ainda assim, incomoda-me perceber que estou coberto com o mesmo esterco que algumas pessoas que critiquei, porque a fama viceja no adubo do sucesso do qual eu me permiti fazer parte.

Sempre fiquei admirado com as propriedades da natureza humana que conseguem tranformar uma multidão numa corja. Por algum motivo, queiram ou não, certas celebridades são tratadas como se fossem messias e são transformadas em mitos que afetam os mais profundos anseios e necesidades das pessoas. Acho hilariante o fato de o governo americano ter colocado num selo o rosto de Elvis Presley (isto se repetiria anos depois, mas desta vez com Frank Sinatra), que morreu porque tomou uma overdose de drogas. Os fãs dele não mencionam isso porque não querem renunciar ao seu mito. Deixam de lado o fato de Elvis ter sido viciado em drogas e afirmam que ele inventou o rock’n’roll, quando na verdade ele o retirou da cultura negra.; os negros já cantavam assim havia muitos anos, até que surgiu um branco que os imitou e se transformou em astro.

É claro que a formação de mitos não se limita às celebridades nem ao líderes políticos. Todos nós criamos mitos relacionados aos nossos amigos e também ao nossos inimigos; não podemos evitar isso. Não importa se se trata de Michael Jackson ou de Richard Nixon: nós acorremos institivamente em defesa deles porque não queremos ver os nossos mitos destruídos.

Nós inventamos qualquer desculpa para conservar os mitos que gostamos muito, mas o inverso também é verdadeiro; quando não gostamos de uma pessoa resistimos inflexivelmente a mudar de opinião, mesmo quando alguém nos prova sua integridade, porque é de importância vital mitificarmos deuses e demônios de nossa vida. 

30/03/2012 Posted by | Uncategorized | , | 1 Comentário

“O Poderoso Chefão” – Filme completa 40 anos…

Al Pacino , um desconhecido. James Caan, “judeu demais” para o papel de italiano. Marlon Brando, em decadência. Estas foram apenas algumas das lendárias histórias dos bastidores de um dos maiores filmes do século 20. Segue outras curiosidades:

O filme em tons de sépia foi considerado com defeito, escuro demais, e por isso não recebeu indicação ao Oscar de fotografia. 

A Paramount, através do todo-poderoso Robert Evans, queria no papel do Chefão, um dos seguintes atores: Edward G. Robinson, Orson Welles, Ernest Borgnine, Anthony Quinn ou George C. Csott. Até o grande Burt Lancaster se ofereceu para viver Don Victor Corleone, mas não aceitaram. Por fim, o marido da Sophia Loren, Carlo Ponti foi cogitado, mas Coppola, sabiamente, bateu o pé: “Laurence Olivier ou Marlon Brando” . O papel ficou em boas mãos: Marlon Brando. (Dizem que Francis Ford Coppola insistiu em Marlon Brando que era seu ídolo pessoal)

Frank Sinatra não gostou nem um pouco do personagem Johnny Fontane, que era uma cópia descarada do cantor. Chegou a trocar insultos com Mario Puzo num restaurante. Os cantores frankie Avalon e Vic Damone fizeram um teste para o papel, mas acabou nas mãos de Al Martino – também protegido da Máfia. A pressão de Frank funcionou em termos, pois o personagem de Johnny Fontane foi diminuído.

Mario Puzo, autor do livro, nunca falou italiano, tanto que o termo “Don Corleone” é considerado italiano incorreto – seria como chamara alguém de “tio”. Correto seria Don “Don Michael” ou “Don Vito” (esta informação veio de Rubens Ewald Filho)

Marlon Brando, que dizia só atuava por dinheiro, recebeu U$ 100 mil dólares, pois vendeu os seus direitos de bilheteria por módicos U$ 50 mil dólares…

A voz de “Don Vito” Corleone foi inspirada na voz real do gângster Frank Costello (idéia do genial Marlon Brando). O chefe da Máfia Joe Colombo ameaçou o produtor Albert S. Ruddy, que não teve alternativa senão fazer um acordo com o mafioso: Colombo exigiu que não fosse pronunciado os termos “Máfia” e “Cosa Nostra” – o produtor cumpriu rigorosamente…

Foi a única vez na história da Academia em que dois atores receberam um Oscar pelo mesmo personagem: Marlon Brando e Robert De Niro.

Na cena da morte do cavalo, uma cabeça real foi usada (comprada de um matadouro). O ator John Marley disse em entrevista que o seu grito fora real – ele não sabia que teria um cavalo ensanguentado em sua cama…

O gato, que aparece no começo do filme nas mãos de Marlon Brando, foi encontrado solto no estúdio da Paramount e, logicamente, não constava do roteiro – mais uma idéia genial de Brando…

O Poderoso Chefão” está na lista dos dez maiores filmes do século 20. Para ver e rever, sempre…

15/03/2012 Posted by | Uncategorized | , , | 1 Comentário

Marlon Brando cobrou bem…

Qualquer astro mediano recebe fábulas de dinheiro para atuar em produções hollywoodianas. Mas será que alguém já bateu o cachê do maior ator do mundo?

Marlon Brando recebeu 14 milhões de dólares para atuar pouquíssimo tempo no filme Superman.

Marlon Brando

Na verdade foram apenas dez minutos de participação: 1,4 milhão de dólares por minuto!

Foi em 1978. Há 31 anos atrás. Qual seria o valor atualizado? Deixo a questão para os meus amigos matemáticos…

12/09/2009 Posted by | Uncategorized | , | 10 Comentários